sábado, 5 de dezembro de 2009

Saga de Severinin


Peço atenção dos senhores

Pra história que eu vou contar

Falo de Severinin lavrador tão popular

Que morava numa palhoça

E cultivava uma roça perto de Taperoá

E Severinin todo dia lavrava a terra macia

E terra lavrada é poesia

Mexe com a mão na terra

Sobe essa serra corta esse chão

Planta que a planta ponte

Por esses montes lã d'algodão

Severinin vivia até feliz

Enchendo os olhos com bem d'rais

E mesmo a plantação tava bonita em flor

E a seu lado sua companheira

Tinha o seu amor

Mas como diz o ditado e haverá de se esperar

Depois de tudo plantado

Fazendeiro pede pra Severinin desocupar

Já tinha até fruta madura

Jirimum enrramando no terreiro

E tinha até um passarinho

Que além de ser seu vizinho

Ficou muito companheiro

Chega tanta incerteza

A alma presa quer se soltar

Luta, luta sozinho

Qual o caminho de libertar

Severinin ficou sozinho e só

Ingratidão não pode suportar

Correu para o sul

Aí a construção se viu

De uma vez por todas

De uma vez por todas

Desabar.


Vital Farias

3 comentários:

  1. Oi Matheus,
    Curti pacas esse post!
    Beijos
    Ca

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro este disco inteiro. Aliás, Vital Farias me emocionou muito, no que eu saía da adolescência. Saga Amazônica e Taperoá estão entre os 50 discos brasileiros de minha vida.
    Bela recolha Matheus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Fazia tempo que não retornava ao meu próprio blogue. Fiquei contente de 'passar' por aqui e encontrar outro admirador do mestre Vital. Meu abraço!

      Excluir